Indústria naval prepara-se para novo período de crescimento a partir de 2017

23/09/2016No Comments

  • Esta é a projeção de empresas e lideranças que participaram da 13ª edição da Marintec South America, realizada entre os dias 19 e 21 de setembro no Rio

  • Novas concessões do pré-sal, mudanças na política de Conteúdo Local (CL) e competitividade internacional alimentam otimismo do mercado

  • “Ultrapassamos o índice de renovação proposto para 2017 com mais de 50% das empresas expositoras confirmadas”, revelou o gerente do evento, Renan Joel

A 13ª edição da Marintec South America terminou no Rio de Janeiro com um balanço positivo e com otimismo das empresas nos segmentos naval, marítimo e offshore que participaram do evento. Entre os executivos é consenso que o setor deve experimentar uma retomada significativa a partir do próximo ano. As projeções otimistas têm como base as novas rodadas de concessão de exploração do pré-sal para a iniciativa privada, mudanças previstas nas normas de Conteúdo Local (CL) e diversificação do mercado para além das demandas da Petrobras como foco especial na competitividade internacional.

Durante três dias de Marintec, 380 marcas, entre armadores, estaleiros, fabricantes e fornecedores nacionais e internacionais, expuseram soluções inovadoras para o mercado. Além disso, especialistas e os principais players do mercado discutiram soluções para o segmento em seminários e os visitantes tiveram acesso à cursos e workshops sobre as últimas tendências em pesquisa e desenvolvimento. “É um orgulho para todos nós realizar este evento que exerce um papel central para consolidar a indústria naval como um vetor de desenvolvimento econômico do País”, ressaltou Jean-François Quentin, Presidente da UBM Brazil, responsável pela organização do evento.

Entre as empresas expositoras a avaliação é positiva, como atesta o diretor da Wärtsilä, Luiz Barcellos: “A Marintec South America sempre nos dá um ânimo maior pois, além de ser um evento tradicional, mostra o potencial do mercado naval, marítimo e offshore. A audiência é qualificada e a localização estratégica”. O executivo de Vendas da Vision Marine, Marcelo Alves, concorda. “Muitos negócios são fechados a partir dos encontros que realizamos durante a feira. Com as perspectivas de retomada mais intensa do mercado em 2017, expor a marca e as soluções na Marintec é, sem dúvida, uma vantagem estratégica. É imprescindível participar de um evento como este”, observou.

Quem também faz projeções positivas a partir dos encontros realizados durante a feira é o diretor de Vendas da SAAB do Brasil, Jen Möldrup: “Saio desta edição da Marintec com boas perspectivas de formalizar novos negócios. Os encontros foram produtivos e o público que visita a feira é muito qualificado”.

Além das empresas, as instituições reforçam o papel estratégico da feira. “Continuamos parceiros da indústria naval e da Marintec South America, principalmente neste cenário que é desafiador. Aqui é um ótimo fórum para discutir e reavaliar nossos modelos de gestão, levando em consideração novas forma de negociação comercial e compliance”, observou o superintendente executivo da Caixa, Rossano Macedo e Silva.

Erik Hannisdal, managing partner da M&O Partners, encorajou os investimentos estrangeiros no Brasil, mas reforçou que é necessária a discussão sobre o chamado Custo Brasil. “Isto é um obstáculo, mas há diversas formas de uma empresa internacional ter sucesso aqui. Um exemplo é iniciar a atuação por meio de uma subsidiária, para ter a facilidade de encontrar parceiros que conheçam a complexidade das leis e os desafios específicos que o país apresenta”, frisou.

Público qualificado - Um dos atrativos da Marintec sempre foi o público qualificado que vem até a feira em busca de novidades, tendências e oportunidades de negócios. O coordenador de Suprimentos da baiana Belov Engenharia Portuária e Subaquática, Jon Anderson, participou do evento com o objetivo de encontrar novos fornecedores e saber como está o mercado. “A Marintec reúne toda a cadeia de produtos e soluções do nosso segmento e é aqui que sabemos para onde a inovação caminha. Encontrei alguns parceiros e empresas que podemos negociar no futuro”, observou.

Patrícia Salles, gerente comercial do Grupo Brasil Forte, especializado em vigilância e segurança de grandes complexos, tem uma estratégia bem definida: “Vim conhecer a Marintec South America e confirmei que as nossas soluções atendem toda a cadeia naval, marítima e offshore. Não tinha noção do alcance do setor e tudo se encaminha para que nos tornemos expositores na próxima edição da Marintec. O evento define o nosso foco de negócios no momento”.

“A Marintec South America nos permite conectar-nos com o mercado”, frisou a diretora para a América Latina da J&D Imigration, multinacional espanhola especializada em processos de expatriação de empresas que possui projetos em curso no Brasil e nos demais países da América Latina. “Vim conhecer em quais projetos meus potenciais clientes estão se engajando nestes segmentos naval, marítimo e offshore. A feira oferece grandes oportunidades”.

email

Leia Também:

  1. Cadeia produtiva da indústria naval é discutida em evento
  2. IFS apresenta solução para gestão de projetos e ativos da Indústria Naval e Transporte marítimo
  3. Brasil está no último estágio para se tornar potência na indústria naval, afirma presidente da Transpetro
  4. Indústria naval brasileira cresce 19,5% ano ano
  5. Empresas paulistas levam soluções para o mercado naval e offshore ao Rio de Janeiro

Deixe uma resposta


5 − 1 =