Frota de cabotagem está pronta para atender mercado

01/07/2015No Comments

Expansão do setor aumentou o interesse das empresas na encomenda de navios. Necessidade das armadoras é o que define em qual mercado investir  

Diferente da navegação de apoio marítimo, que possui uma exigência para a contratação de conteúdo local, o segmento de cabotagem possui condições mais flexíveis e praticáveis que requerem índices mínimos para a fabricação de embarcações no Brasil. Porém os pedidos de encomendas ainda esbarram em entraves como custo elevado para a construção e dificuldade no cumprimento dos prazos. Segundo o vice-presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima (Syndarma), Luis Fernando Resano, esses são os principais dilemas vividos pelas armadoras na hora de escolher entre a produção nacional ou recorrer à importada.

Além disso, a falta de disponibilidade e capacidade dos estaleiros para construção de navios de porte bruto são outros problemas enfrentados pelo setor, que precisa fabricar navios capazes de suportar até 60 mil toneladas. Mesmo com todos estes desafios, o vice-presidente do Syndarma acredita que o mercado nacional possui condições para competir em igualdade com o mercado internacional, pois as altas taxas de impostos para a importação, que podem chegar a 50% do valor da encomenda, deixam as estrangeiras em desvantagem. “É preciso ter um bom capital para importar navios”, acrescenta.

Para o representante, que é um dos especialistas confirmados na grade do Fórum de Líderes da Marintec South America – Navalshore 2015, a decisão de construir embarcações no Brasil  ou encomendar no exterior vai depender muito da necessidade do armador. Se existe urgência para operar, por segurança as empresas optam pela produção internacional devido à agilidade, mas se for uma demanda de longo prazo a vantagem utilizar conteúdo local.

Modal em expansão - Apesar do desequilíbrio na matriz dos transportes brasileira com a prepoderância do modal rodoviário, o fato é que a cabotagem cresce de 10% a 12% ao ano no País, por ser economicamente mais barata e sustentável. “As empresas estão investindo no transporte, ninguém vai comprar um navio para deixar parado enquanto não tem carga. O custo é muito elevado e por isso o navio precisa estar rodando. O que precisa é ter carga com regularidade e volume. A frota de cabotagem está pronta para atender o mercado”, destaca Resano ao afirmar que o setor está preparado para atender novas demandas.

De acordo com o diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Fernando José de Pádua Costa Fonseca, que também estará no Fórum do evento, uma das soluções para incentivar ainda mais o transporte de cabotagem é prestigiar o armador brasileiro. “Podemos conseguir um frete muito mais em conta apesar do risco Brasil. Nosso custo portuário é muito elevado, então precisamos incentivar os armadores brasileiros e melhorarmos as condições do nosso custo de logística”. O diretor da Antaq acrescenta que estas iniciativas possuem um efeito cascata positivo para o setor. Isso porque ao investir em estaleiros de reparação naval para navegação de cabotagem e pensando na questão de tripulação, custo de praticagem no Brasil e uma série de transações, é possível estimular a navegação de cabotagem e os armadores brasileiros teriam uma demanda de construção de embarcações novas e reparação naval capaz de sustentar pelo menos os estaleiros do Rio de Janeiro.

Cabotagem e a Indústria Naval - A cabotagem é um dos temas que serão discutidos no  Fórum de Líderes, que será realizado pela Marintec South America – Navalshore, evento do setor de construção e manutenção naval da América do Sul, em parceria com o Sistema FIRJAN e Sinaval, para debater soluções estratégicas que contribuam com a retomada da atividade da cadeia produtiva. O encontro acontecerá paralelamente à Marintec, que ocorre de 11 a 13 de agosto, no Centro de Convenções SulAmerica, no Rio de Janeiro.

O objetivo do Fórum de Líderes do setor naval é trazer para a discussão os principais gargalos das questões tecnológicas, políticas e da sustentabilidade do setor em temas de relevância para o desenvolvimento da indústria no Brasil e na América do Sul, com reflexos internacionais.

Sobre a Marintec South America 
Em 2015, a Marintec South America assume novo posicionamento estratégico no mercado, tornando-se o único  evento do País a servir o setor com discussões e debates sobre o cenário da indústria naval e offshore, com o objetivo de gerar soluções para aumento da produtividade, da operacionalidade, da qualificação profissional, do emprego da tecnologia, dos investimentos e da demanda e oferta para toda a cadeia do setor. O evento acontece de 11 a 13 de agosto, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ). São 11 mil m², mais de 380 marcas expositoras, 17 países e 7 pavilhões internacionais. Este ano a Marintec enriqueceu seus eventos de conteúdo, que acontecem paralelamente à feira. Serão realizadas a Conferência Fórum de Líderes, o Seminário de Renovação da Frota Pesqueira, além do Espaço Inovação e ações de capacitação profissional.

Sobre a UBM Brazil 
É uma das maiores empresas do mundo em mídia de negócios. Está presente em 30 países, trabalhando para criar oportunidades de negócios e visibilidade às empresas.

email

Leia Também:

  1. “País deve estar apto para atender adequadamente o comércio exterior brasileiro”
  2. Log-In promove palestra “Benefícios da Cabotagem para o Mercado do Paraná”
  3. Ferrovia em GO está pronta para licitação, diz ministro
  4. Navios crescem para atender ao mercado asiático
  5. Frota de cabotagem da Aliança continua a crescer

Deixe uma resposta


+ 5 = 7