“A recuperação da indústria naval exige um redirecionamento do mercado”

22/06/2016No Comments

Afirmação é do diretor-geral substituto da ANTAQ, Fernando Fonseca, que aponta os principais problemas que afetam o setor e o que deve ser feito para recuperá-lo.

Assim como aconteceu com diversos setores, a atual situação econômica do país fez com que a indústria naval adotasse mais cautela em seus negócios e buscasse alternativas para superar as dificuldades impostas ao mercado. No entanto, para manter a competitividade no setor e recuperar os tempos de bonança é preciso se readequar.

Segundo o diretor-geral substituto da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Fernando Fonseca, o mercado pode ser recuperado em médio e longo prazo, porém, algumas medidas precisam ser adotadas para vencer o delicado cenário político e econômico do país. “Acredito que a recuperação perpassa pelo redirecionamento do mercado da indústria naval para o reparo, manutenção e descomissionamento, assim como pela adoção de planejamento a longo prazo, vislumbrando a continuidade e a maior competitividade do setor, inclusive internacionalmente”, afirma.

Por outro lado, Fonseca – que participará do painel “Infraestrutura e Desenvolvimento do Transporte Marítimo Brasileiro”, que será discutido no Fórum de Líderes da Construção Naval, durante a realização da 13ª edição da Marintec South America – Navalshore – alerta quais são os principais desafios da indústria marítima atualmente. “A queda do preço do petróleo associada à forte diminuição das atividades do setor de óleo e gás, causada essencialmente pela redução de encomendas da Petrobras, ainda produzem nocivos efeitos sobre a indústria naval brasileira. Mas o principal desafio do mercado é manter a visão competitiva e promover os ajustes nos negócios. A capacidade de adaptação e a mudança de filosofia corporativa para extrair oportunidades em ambientes adversos pode determinar a sobrevivência das empresas do setor”.

O diretor da agência reguladora reforça ainda o que a ANTAQ, por sua vez, está fazendo para auxiliar as empresas do setor a superar as dificuldades. “O modelo regulatório de governança exige da administração pública uma maior competência técnica e celeridade dos processos e das respostas às demandas do mercado. A confiança do setor passa necessariamente pela desburocratização da gestão e pela simplificação da regulamentação pela ANTAQ. Nos últimos anos, a agência vem envidando todos os esforços para fortalecer seu quadro funcional, atuar de forma independente e transparente e manter o equilíbrio regulatório que, ao mesmo tempo, proveja, com clareza e segurança jurídica, as regras do jogo e fomente o desenvolvimento da indústria”, pontua.

Fórum – Além da ANTAQ, o Fórum de Líderes da Construção Naval, realizado em parceria com o Sistema FIRJAN (da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), reúne associações, entidades reguladoras e empresas do setor para discutir os principais gargalos do segmento em temas de relevância para o desenvolvimento da indústria nacional e mundial. Estarão presentes também o Ministério da Defesa/Marinha do Brasil, a DNV-GL (empresa especializada em certificação e garantia técnica), a Wartsila (especializada em soluções energéticas), entre outras.

Fonseca ressalta a importância dos debates sobre o setor. “O Fórum de Líderes abre um democrático e salutar espaço para o debate de temas sensíveis e relevantes para o setor portuário e aquaviário, constituindo importante mecanismo de diagnóstico das demandas e expectativas do mercado, o que, sem dúvida, ajuda a pautar a atuação regulatória da ANTAQ. É inconcebível, nos dias atuais, pensar em regulação de forma estanque, sem que se dialogue com as organizações e empresas privadas e demais atores desse mercado”, conclui.

Sobre a Marintec South America -www.marintecsa.com.br

A Marintec South America – Navalshore é a principal plataforma de negócios para alavancar inovações e conectar-se com a comunidade marítima da América do Sul. Ponto de encontro da indústria, reúne armadores, estaleiros, fabricantes e fornecedores, nacionais e internacionais em prol do aumento da produtividade, da qualificação profissional, do fomento de novas tecnologias, investimentos e da demanda e oferta para toda a cadeia. Em 2016, acontece de 19 a 21 de setembro, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ). São 11 mil m², mais de 370 marcas expositoras, 17 países e 8 pavilhões internacionais. Paralelamente à feira, também serão realizadas a Conferência Fórum de Líderes, o Seminário de Renovação da Frota Pesqueira e ações de capacitação profissional, além do espaço para inovações de expositores.

Sobre a UBM Brazil -www.ubmbrazil.com.br

A UBM é líder global em mídia de negócios e segunda maior organizadora de eventos no mundo, com expertise reconhecida em promover e incentivar o networking e os negócios entre empresas dos mais diversos segmentos de mercado. Presente em 20 países, nos cinco continentes, com 5.000 funcionários, atuando em dezenas de setores que vão da alta tecnologia à moda e ao setor de saúde. Conecta profissionais dos diversos segmentos da indústria, tais como Construção Civil, Transporte de Carga, Logística e Comércio Internacional, Portos, Terminais e Armazéns, Tecnologia e Eletrônica, Indústria Médica e Farmacêutica, Ingredientes Alimentícios, Metroferroviária e Naval. Saiba mais: ubmbrazil.com.br

 

email

Leia Também:

  1. Senadora faz apelo por fortalecimento da indústria naval
  2. Cadeia produtiva da indústria naval é discutida em evento
  3. Indústria naval brasileira cresce 19,5% ano ano
  4. Petrobras e indústria naval buscam parcerias no Reino Unido
  5. Naval Summit discute competitividade da indústria naval

Deixe uma resposta


1 + 7 =