FIRJAN fax Raio X da indústria naval do Rio

15/10/2016No Comments

O que o Rio de Janeiro precisa para melhorar a sua indústria naval ?  Foi esta pergunta que motivou a FIRJAN a apresentar um trabalho bastante avançado mostrando um panorama naval no Estado. Um mapa naval. O trabalho foi mostrado nesta quinta-feira (13)  na Representação Regional FIRJAN Leste Fluminense, em Niterói.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O mapa naval  aponta informações sobre o cenário fluminense com temas sobre ganhos de competitividade com a concessão das dragagens portuárias, ambiente de negócios propício para a indústria naval e oportunidade para desenvolvimento da cadeia produtiva, além de informações sobre construção, manutenção e reparo naval para a retomada da indústria.

O trabalho mostra ainda que o cenário atual exige a capacidade de coordenação e atuação conjunta, com envolvimento de várias as partes interessadas a executar ações que permitam o fortalecimento do setor.  De acordo com Karine Fragoso, gerente de Petróleo e Gás do Sistema Firjan, é muito importante essa reunião com a presença de diversas organizações e olhares sobre o mesmo setor.

“O que vimos hoje aqui é que há um consenso geral de que temos um problema para ser resolvido e que existem condições de resolver. Para isso, precisamos de um grande pacto da sociedade pra não perdermos tudo que foi feito na década passada. Também é necessário um processo que favoreça o setor produtivo e não um processo nocivo ao setor produtivo, que é o que temos hoje. Somente com a união de forças temos chance de conseguir construir um caminho único de solução para essa indústria”.

O estudo aponta, ainda, cinco propostas e 10 diretrizes para a indústria naval, que estão no Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro 2016-2025. As ações incluem os estaleiros e os fornecedores de bens e serviços, com o objetivo de contribuir para o fortalecimento do segmento. Nas diretrizes estão a criação de um ambiente favorável de negócios; promoção da melhoria da infraestrutura; construção de uma agenda de recuperação do setor; promoção da engenharia naval nacional, do desenvolvimento tecnológico e da inovação; e desenvolvimento e implantação de governança corporativa, contemplando todos os atores vinculados ao mercado naval.

Entre as propostas do documento estão a alteração do marco legal da inovação, visando o maior incentivo à pesquisa, desenvolvimento e inovação; e a suspensão da cobrança de ICMS em compras de insumos fluminenses para fabricação de produtos para exportação (drawback), evitando que o produto importado – isento de cobrança de ICMS – tenha preferência sobre a produção do estado. A duplicação do canal de acesso e aprofundamento das bacias de evolução e fundeadouros do Complexo Portuário da Baía de Sepetiba; e realização da dragagem de aprofundamento e manutenção dos canais de acesso, berços de atracação, bacias de evolução e fundeadouros do complexo portuário da Baía de Guanabara, formado pelos portos do Rio de Janeiro e de Niterói e pelos terminais privativos localizados na baía. Leia materia original em Jornal Dia Dia

email

Leia Também:

  1. Senadora faz apelo por fortalecimento da indústria naval
  2. Naval Summit discute competitividade da indústria naval
  3. Indústria naval brasileira está consolidada, diz coordenador do Ipea
  4. Indústria naval brasileira cresce 19,5% ano ano
  5. Cadeia produtiva da indústria naval é discutida em evento

Deixe uma resposta


7 − = 6