Pará vai receber investimentos na área industrial e de produção de grãos

11/03/2016No Comments

O município de Barcarena ganhará uma nova planta industrial para beneficiamento do alumínio produzido na região

BELÉM - Uma indústria de beneficiamento do alumínio e incremento da produção de grãos será instalada no Pará. Os procolos de intenções foram assinados na segunda-feira (7) entre o Governo do Estado e as empresas Alloys e SPontes Construtora.

O município de Barcarena ganhará uma nova planta industrial para beneficiamento do alumínio produzido na região. O Governo do Pará e a empresa Alloys assinaram um protocolo de intenções nesta segunda-feira (7), na sede da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), para formalizar o projeto que prevê a instalação de um complexo com cerca de 430 mil metros quadrados e nove unidades de produção.

A empresa planeja investir aproximadamente US$ 90 milhões nesta primeira fase do projeto, com o início da construção previsto ainda para este ano. Serão construídas as duas primeiras unidades, uma para a produção de tarugos, que são hastes de alumínio utilizadas para a fabricação de perfis, que por sua vez são empregados no setor de transporte, indústria elétrica e também na construção civil, que será o grande foco da Alloys, com a produção de esquadrias de boxes para banheiros, portas e janelas. Além do mercado interno nacional, a ideia é que essa produção seja exportada para países da América Central, prioritariamente o México e Estados Unidos.

A outra unidade de produção que será priorizada nesta primeira fase do projeto é uma fábrica de reciclagem de alumínio, que deverá reaproveitar não só a sucata gerada na própria planta da Alloys, mas também absorver os resíduos gerados nos processos produtivos das outras empresas próximas, para transformá-los novamente em um alumínio utilizável na indústria, como em latinhas de refrigerante, por exemplo.

De acordo com o presidente da Alloys, Marcel Popoviti, a ideia é criar unidades de produção que agreguem cada vez mais valor ao alumínio, aumentando a oferta dos produtos feitos no Pará a partir do minério. “Nada impede que, futuramente, passemos a produzir materiais cada vez mais diferenciados, sejam peças elaboradas para a indústria automobilística e até para a aeronáutica. Com um cenário desses, seria possível até mesmo atrair uma montadora de veículos para o Estado, por que não?”, indaga o empresário.

Só nesta fase inicial, o projeto deverá gerar cerca de 600 empregos diretos e mais de dois mil indiretos em Barcarena. Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Adnan Demachki, essa é uma amostra de como a verticalização da produção pode contribuir para o desenvolvimento do Estado. “Fizemos uma negociação com a Albras, que irá fornecer a matéria-prima para a produção da Alloys. Esse é um minério exportado para fora do Pará e que agora se transformará em, no mínimo, 600 novos empregos, gerando também mais renda e receita aqui dentro de nosso Estado. É por isso que insisto tanto na verticalização da produção paraense, pois o tempo nos mostrou que o modelo praticado em todos esses anos no Estado, de uma economia puramente extrativista e exportadora de matéria-prima, não nos trouxe o desenvolvimento que gostaríamos. A época em que exportávamos madeira nativa para que outros Estados transformassem em móveis já passou, agora é a hora da gente agregar valor aos nossos produtos aqui no Estado”, defende Demachki. Leia matéria completa em Portal Amazonia

email

Leia Também:

  1. Imbituba tem área definida para receber montadora chinesa
  2. Paranaguá se prepara para receber e escoar grande volume de grãos
  3. Produção no RS aumenta 30% na safra de grãos atual
  4. Dilma: produção de grãos este ano será a maior da história
  5. Parque industrial paraguaio atrai investimentos do Brasil

Deixe uma resposta


7 − 4 =