Acordo entre Brasil e Japão inaugura novo tempo para o Matopiba

29/02/2016No Comments

Brasília (29/02/2016) - A Brasil e Japão assinaram nesta segunda-feira (29), em Palmas, um acordo de cooperação que permitirá investimentos na região de Matopiba, a nova fronteira agrícola brasileira situada nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. A assinatura foi feita durante o “Diálogo Brasil-Japão – Intercâmbio Econômico e Comercial em Agricultura e Alimentos”, que está sendo realizado hoje e amanhã pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Brasil e Japão assinaram acordo de cooperação para a região (Viviane Novaes/Mapa)

Brasil e Japão assinaram acordo de cooperação para a região (Viviane Novaes/Mapa)

“Este é um momento histórico na relação entre as duas nações e inaugura um novo tempo para a região do Matopiba”, disse a ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Ela lembrou que o Brasil abriga a maior população japonesa no exterior, com 1,5 milhão de pessoas. E enfatizou: “Essa amizade proporciona uma enorme oportunidade de negócios para os dois países.”

O presidente da Mitsui & Company (empresa que investe em ferrovias e comercialização de produtos agrícolas), Shinji Tsuchia, ressaltou que o Brasil é o maior exportador mundial café, suco laranja e açúcar e segundo maior de carne bovina. A maior parte das terras agricultáveis do mundo está na América do Sul. “O Brasil será o grande produtor agrícola mundial, atendendo a demanda global”, disse.

Segundo Tsuchia, como a maior produção de milho e soja está acima do paralelo 16, há necessidade de investimentos de infraestrutura e logística no Matopiba a fim de facilitar o escoamento e reduzir o chamado “custo Brasil”. Neste sentido, de acordo com o executivo, estão sendo feitos estudos em conjunto com o governo brasileiro.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, destacou a importância do Porto de Itaqui (MA) para o escoamento da safra. “O porto de Itaqui é o porto do Matopiba”, assinalou. É o local de saída dos produtos agrícolas que fica mais ao norte do país e, portanto, significa menos custos para exportação para os produtores e empresários da região. Segundo o governador, estão previstos investimentos da ordem de R$ 1,3 bilhão no porto, no período de 2016-2017. “Os recursos, da iniciativa privada e pública, já estão garantidos”, assegurou Dino.

Metas brasileiras 
A ministra falou sobre as potencialidades na região e a previsão de investimentos em infraestrutura. O Matopiba tem 6,1 milhões de hectares irrigáveis. “Para expandirmos a irrigação, precisamos R$ 114 milhões para 2280 Km redes de energia para a região”, estimou. O governo prevê a instalação de 11 novas estações meteorológicas.

Kátia Abreu disse que a Conab vai construir quatro armazéns para grãos, com capacidade de 88 milhões de toneladas e investimentos de R$ 100 milhões. Além disso, está prevista a instalação de duas Ceasas no Matopiba, no valor total de R$ 24 milhões; dois centros de tecnologia de agricultura e baixo carbono nos municípios de Luís Eduardo e Bom Jesus com parcerias públicas e privadas e implantação de um centro tecnológico em silvicultura e agricultura de baixo carbono.

Durante o encontro foram criadas a Frente Estadual Parlamentar da Região do Matopiba e Frente Municipalista dos Prefeitos da região. As frentes vão trabalhar pela busca de investimentos e de políticas públicas para o desenvolvimento da região. “Vamos ajudar a viabilizar negócios e fazer com que o Matopiba seja cada vez mais forte”, afirmou Laurez da Rocha Moreira, prefeito de Gurupi - município de 83 mil habitantes que fica no sul do Tocantins.

Diálogo bilateral
O encontro em Palmas ocorre na Universidade Federal de Tocantins e conta a presença de cerca de 600 pessoas. Entre os participantes, estão os governadores dos quatros estados do Matopiba – Flávio Dino (Maranhão), Marcelo Miranda (Tocantins), Wellington Dias (Piauí) e Rui Costa (Bahia) -, secretários de estado, deputados, prefeitos, secretários do Mapa, representantes do setor produtivo, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agro pecuária (Embrapa) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A delegação do Japão tem cerca de 70 empresários e autoridades do governo, como o embaixador Kunio Umeda, o vice-ministro de Assuntos Internacionais do Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão, Hiromich Matushima, o diretor-presidente da Mitsubishi Corporation do Brasil, Aiichiro Matsunaga, e o conselheiro do Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S. A., o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, Yoshifumi Murata, e o conselheiro do Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S. A., Yoshifumi Murata.

O encontro se estende até o início da noite desta segunda-feira e ainda vai tratar sobre assuntos sanitários e fitossanitários. Na terça-feira, o Ministério da Agricultura levará os japoneses para conhecer empreendimentos do agronegócio, com uma propriedade dedicada ao cultivo de frutas e empresa de processamento de grãos.

Nova fronteira agrícola
O Matopiba se destaca pela produção de grãos como soja, milho, arroz e algodão. Compreende uma área de 73 milhões de hectares, com 377 municípios e mais de 25 milhões de habitantes. A região tem mais de 324 mil estabelecimentos agrícolas. Atualmente responde por 10% da produção de grãos do país. O Produto Interno Bruto (PIB) agropecuário somou R$ 1,3 trilhão em 2014.

No ano passado, foi criado o Plano de Desenvolvimento Econômico do Matopiba por meio de decreto da Presidência da República. É um instrumento de planejamento para modernização, competitividade, incremento de renda, mobilidade social e sustentabilidade. Os três principais eixos do plano são infraestrutura, inovação e desenvolvimento tecnológico e o fortalecimento da classe média rural. Fonte: MAPA

email

Leia Também:

  1. Japão estuda aumentar importação de milho do Brasil
  2. Acordo entre Santos Brasil e caminhoneiros põe fim a paralisação
  3. Japão compra carne dos EUA e anima Brasil
  4. Hamburg Süd inicia novo serviço entre África do Sul, Argentina e Brasil
  5. Brasil e México vão assinar acordo para facilitar investimentos

Deixe uma resposta


1 + 3 =